[Resenha] O Corvo

10/15/2021


Livro: O Corvo
Autor: Edgar Allan Poe
Editora: Faro Editorial
Páginas: 96
Ano: 2020
Comprar: Físico

Publicado pela primeira vez em 1845, "O Corvo" é um poema construído de 108 versos divididos em 18 estrofes. Foi traduzido diversas vezes para o português e tive o prazer de ler a tradução feita pela editora Faro Editorial, uma edição bilíngue e ilustrada.

O poema tem como tema principal e história de um homem que acabou de perder sua amada e está em conflito sobre aceitar ou não a morte dela. Carregado pelo luto, ele irá se deparar com a entrada de um o corvo que ficará parado em um busto de Atena e ao começar a indagar o animal, o mesmo apenas o responde com "nunca mais". Indagações essas que o deprecia e estimula seu sentimento de perda da amada. 

É perceptível três momentos durante a leitura, o sentimento de perda, demonstrado pela tristeza, posteriormente a angustia por "nunca mais" tê-la e por fim, a sensação de derrota pelo luto, transformado em loucura.

As ilustrações complementam toda a tristeza, angustia e perda do narrador. E enriquece o livro, tornando a edição muito bem elaborada, como disse é uma edição bilíngue, a tradutora tentou deixar menos informal e conseguiu um ótimo resultado, conseguimos partilhar dos sentimentos do narrador.

É uma leitura rápida que dá para se fazer em menos de 30 minutos, mas fica a dica, é uma leitura triste e angustiante quando você se envolve com o personagem, porém é uma obra que eu recomendo e que a muito tempo queria ter feito a leitura, mas valeu muito a pena expressa.

Sinopse: Escrito há quase duzentos anos, esse poema atravessa gerações e continua sendo um marco da literatura mundial. Imprescindível para todos os apaixonados por literatura, O Corvo é considerada a obra-prima de Edgar Allan Poe. Mesmo tendo escrito diversos livros e contos, nenhuma outra história atraiu tantos leitores e tamanho respeito pela crítica especializada. Um homem atormentado pela morte da amada é despertado pelo barulho incessante de um corvo e a trama que se desenrola no poema demonstra tanto a genialidade do autor quanto os demônios que ele carregava. Dizem que a vida imita a arte, mas nesse caso, a arte imitou a vida. O Corvo foi publicado dois anos após a morte precoce da esposa de Poe. E, como muitas vezes acontece, o autor não teve tempo para ver o sucesso de sua obra. Morreu na miséria e sem saber que seu corvo atormentaria muitas outras almas mesmo anos depois de sua morte.

0 comentários

Obrigada pela sua visita!
Volte Sempre!